VIDA DE MOTORISTA
VIDA DE MOTORISTA
VIDA DE MOTORISTA
VIDA DE MOTORISTA
Quatro Rodas

Depreciação de veículos: 3 pontos importantes para você

A depreciação é um conceito que se aplica a qualquer tipo de bem. Seja seu patrimônio composto por imóveis, veículos ou até mesmo por seus eletroeletrônicos, todo ele está sujeito à perda de valor por conta do seu tempo de uso.

Mas se acalme, não fique desanimado com essa notícia!

Porque ainda que o tempo seja um dado incontornável, é possível traçar estratégias que minimizam a depreciação. Por isso, saiba quais são as estratégias para minimizar a depreciação de veículos e garanta uma boa qualidade ao seu auto!

Ficou curioso? Continue com a leitura!

O que é a depreciação de veículos?

A depreciação de veículos é, resumindo, a desvalorização do seu automóvel. De certo, já é sabido por muitos que com o tempo os bens tendem a perder o seu valor de ínicio. Mas para que isso não seja de todo maléfico, conhecer algumas estratégias para minimizar essa desvalorização de veículos é o ideal.

No caso da depreciação de veículos, uma ótima forma de evitá-la é mantendo todas as revisões em dia, da forma recomendada pelo fabricante. Já em imóveis, por exemplo, sobretudo em casas, é essencial observar a manutenção dela. 

Realizando as reformas necessárias e acompanhando a qualidade da pintura, vidros etc conseguimos minimizar toda a sua depreciação.

Atualmente, em relação aos automóveis, as principais perguntas para orientar a depreciação de veículos, podem ser analisadas da seguinte forma:

Quando levamos essas perguntas todas em consideração e temos respostas positivas em relação a elas, a taxa de depreciação praticada é de 20% do valor original.Esse valor de referência, no entanto, pode ser aumentada a depender do estado do veículo.

Por conta disso, reforçamos que é essencial mantermos sempre a manutenção veicular em dia, para que não comprometa ainda mais o valor final do veículo.

Depreciação de veículos: o que levar em conta na hora de comprar?

Ao comprar um automóvel, tenha certeza de que você está considerando os principais critérios, evitando assim questões como depreciação de veículos, possíveis problemas com a documentação, entre outros.

Ao comprar um automóvel, tenha certeza de que você está considerando os principais critérios, evitando assim questões como depreciação de veículos, possíveis problemas com a documentação, entre outros. 

É essencial sempre analisarmos o estado do automóvel como um todo: pintura, estofado, motor e, sobretudo, tecnologia aplicada a ele. Outro fator importante de se levar em conta é a nacionalidade do veículo.

É claro que os importados têm o seu charme, mas para um proprietário que não tem qualquer interesse em perder o valor inicialmente investido, o tempo pode ser fator determinante. Isso porque, dada a manutenção especializada com valor bem elevado, a cada ano os importados se depreciam de forma acentuada.

Assim, os 20% anuais que mencionamos, chegam rápido a 25% quando se trata da depreciação de veículos importados. Em dois anos, portanto, o valor inicial cai pela metade.

Por isso, a recomendação é clara: se você é fã de importados e prefere manter um sempre como novo em sua garagem, troque de veículo anualmente. É a melhor forma de evitar a perda significativa dos seus investimentos financeiros e, sobretudo, não desvalorizar tanto o veículo no momento da venda.

Em contrapartida, em relação aos automóveis nacionais, encontramos taxas bem mais atraentes quando se trata de depreciação de veículos. Aqueles com baixa quilometragem, em excelente estado de conservação e todas as manutenções em dia, em dois anos não perdem mais do que 30% do seu valor de compra.

Como seu público é bem mais amplo e definido no Brasil, os carros populares, ainda que já com dois anos de uso, são valorizados pelo mercado quando em boas condições. Isso porque quem está interessado pela compra pode facilmente ter maior poder de negociação, seja diretamente com o primeiro proprietário ou em concessionária.

O que nem sempre acontece quando o veículo é novo.

Já com caminhonetes e SUVs, por seu público ser menor, a desvalorização também atinge em cheio o valor inicial do veículo. Assim, ainda que seja nacional, é melhor não esperar pelo segundo ano do carro para anunciá-lo para a venda, uma vez que a depreciação do veículo poderá superar os 20%.

Cálculo básico de depreciação

Se estiver complicado de entender o quanto se pode perder numa depreciação de veículos, fique tranquilo que nós iremos explicar!

Atualmente, a vida útil de um carro novo é de cinco anos, apenas. Depois dessa época, a depreciação chega a 0 e a venda é calculada apenas pelos valores de referência praticados no mercado.

No entanto, em um prazo de cinco anos, ainda é possível fazer uma mensuração matemática da depreciação de veículos.

Um exemplo:

De posse dessa ferramenta de cálculo, a estimativa é a de que, para um veículo em perfeitas condições, a venda seja, após um ano e oito meses de uso, de 33.333,33 reais.

Isso porque, ao longo desses 20 meses de utilização do veículo, o valor depreciado foi de 16.666,67 reais.

Critérios para avaliação da depreciação de veículos, passo a passo

Avaliar a depreciação de veículos não é uma tarefa difícil quando você conhece quais os critérios que devem ser atentados. Por isso, conheças esses critérios e saiba exatamente o valor do seu automóvel.

Avaliar a depreciação de veículos não é uma tarefa difícil quando você conhece quais os critérios que devem ser atentados. Por isso, conheças esses critérios e saiba exatamente o valor do seu automóvel.

Para uma boa estratégia de minimizar a desvalorização do carro, é necessário reconhecer os principais critérios que levam seu automóvel a ficar “mais barato”.

E agora que você já percebeu quais são os critérios amplos -citados acima- para analisar a depreciação de veículos, é essencial entender, passo a passo, o que pode ser prejudicial para o seu bolso na hora de vender ou trocar seu carro.

Acompanhe conosco e descubra os 3 pontos essenciais para preservar seus investimentos e minorar, o máximo possível, a depreciação do seu veículo!

1 – De olho na tabela Fipe

A tabela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) é uma ferramenta de suma importância para acompanhar os valores atualizados do seu veículo. A tabela Fipe mensura valores atualizados de carros, caminhões e motos a partir do valor médio encontrado nos anúncios de venda por todo o país.

Assim, é importante ressaltar que ela é uma base importante para quem busca ter maiores referências para negociação. Isso porque os valores dos veículos são influenciados pela região em que ele se localiza, estado de conservação e até mesmo pela cor.

Acessórios de série, adicionais tecnológicos e até mesmo o nível de busca por determinado tipo de veículo podem também impactar o valor de referência na tabela Fipe. Assim, monitorar as atualizações da tabela em relação ao seu veículo é essencial para garantir que ele não perca tanto valor, seja para troca ou para venda.

Como sua atualização é mensal, é fácil mensurar a depreciação de veículos: basta acompanhar quais os valores de referência mês após mês.

Essa também é uma forma de garantir a compra de um veículo. Assim, você ganha maior poder de barganha e, certamente, pode chegar a um melhor consenso sobre o valor a ser investido.

2 – Como o modelo do carro interfere em sua desvalorização

Analise o seguinte quadro: você sempre optou por comprar carros de montadoras tradicionais e sempre fez a manutenção de acordo com a recomendação do manual do veículo. Neste cenário seu carro, depois do primeiro ano de uso, perdeu apenas 8% do seu valor original, de acordo com a tabela Fipe.

No entanto, andando pela cidade, você frequentemente encontra outros carros desse mesmo modelo, cor e ano. Isso quer dizer que quanto mais popular for o carro, menor será a sua taxa de desvalorização, uma vez que maior é a sua procura.

O mesmo não ocorre, como vimos, com carros importados, caminhonetes e SUVs e isso pode ser efeito colateral da exclusividade. Carros assim, além do valor mais elevado, têm assistência mais cara e peças, quase sempre, mais difíceis de encontrar.

Além de que, geralmente, o mesmo mecânico que pode consertar rapidamente um carro popular, pode ter maior dificuldade em fazer reparos em carros dessas categorias. Assim, na hora de analisar a depreciação de veículos, vale a pena observar os valores de referência de anos anteriores.

Dessa forma, tanto o consumidor que deseja adquirir o primeiro veículo quanto aquele que já está analisando a próxima troca, pode preservar suas finanças.

E mais: garantir uma vida com menos surpresas em relação à manutenção do veículo.

3 – Histórico de acidentes

Essa dica é essencial para quem deseja comprar um carro usado.

Para além de acompanhar as tendências da tabela Fipe e sempre ficar de olho nos carros que sofrem menor depreciação, o histórico de acidentes do veículo é um critério essencial para orientar a sua escolha.

Todos os dados sobre batidas graves, que envolvem o departamento de trânsito do município estão relacionados na Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran). Esses dados são públicos e podem orientar muito bem a escolha por um veículo, sobretudo através do Certificado de Segurança Veicular (CSV), que está no documento do carro, moto ou caminhão.

Através desses dados é possível ter já uma boa ideia sobre a saúde do motor, chassis e lataria, e, sobretudo, analisar o impacto disso sobre o valor final a ser negociado.

Outra forma de complementar essa avaliação inicial – uma vez que nem todos os acidentes são reportados ao departamento de trânsito – é através de uma avaliação com mecânico.

Alguns sinais denunciam acidentes e, mesmo que pequenos, devem ser levados em conta:

Conferir também, junto ao mecânico, a presença de lodo ou terra por baixo do veículo também é essencial para garantir que ele não tenha sido atingido por enchentes. Se houver qualquer traço de lama ao levantar o veículo e analisar a lataria por baixo, pode ser um indício grave de comprometimento elétrico do automóvel.

Isso impacta negativamente na depreciação de veículos e pode ser, caso decida topar a compra, um ótimo argumento para a negociação de valores.

Ter pelo menos esses três fatores em mente ao realizar a troca ou compra de um veículo é essencial para o sucesso do investimento.

E aí, você já procurou saber quanto vale o seu carro atualmente e o quanto ele poderá sofrer com a desvalorização de veículos? 

Fique de olho em nosso blog para saber de mais dicas para ter compras mais seguras e desfrute, sempre, o melhor do seu investimento!

Compartilhe nas Redes Sociais!

Vida de Motorista

Comentários (0)
* Nome é obrigatório
* E-mail deve ser válido
* Comentário não deve ser vazio